9 de Abril

No passado Sábado 9 de Abril comemorou-se em Portugal o Dia do Combatente, no 93º aniversário da Batalha do Lys (9 de Abril 1918), onde morreram milhares de soldados portugueses do CEP quando estavam a ser rendidos pelo exército britânico após meses de permanência no front sem descanso e nas piores condições.

Na minha cidade natal, Olhão, esta data foi pela primeira vez comemorada, numa iniciativa do núcleo local da Liga dos Combatentes, com a colocação de flores no Padrão dos Heróis da Restauração em homenagem aos Combatentes, e com a presença do Batalhão de Infantaria I de Tavira, e do Grupo 6 da Associação dos Escoteiros de Portugal.

Levei a bandeira do CEP em memória dos bravos soldados que combateram e morreram nesse dia (sem esquecer os que foram feitos prisioneiros), para que a memória de tão importante data perdure.

Anúncios

Conferência

A República e a I Guerra Mundial – 2011/01/27 – na Sala do Arquivo dos Paços do Concelho, Lisboa, por Luís Farinha.

Informação retirada do site da Fundação Mário Soares:

A República Mês a Mês, série de colóquios organizada em parceria pela Fundação Mário Soares e pela Câmara Municipal de Lisboa, aborda nesta sua 12.ª edição a participação de Portugal na I Guerra Mundial e as suas consequências.

O nosso país entrou formalmente no conflito em função da declaração de guerra que lhe foi comunicada pela Alemanha a 9 de Março de 1916, na sequência do apresamento dos navios germânicos na costa lusitana, realizado a pedido da Grâ-Bretanha. A verdade é que, anteriormente, tropas portuguesas já haviam sido enviadas para Angola e Moçambique com o intuito de travar as investidas alemãs contra essas colónias africanas.
Continue a ler


Portugal na Guerra

A estratégia voluntarista de beligerância activa (2ª Parte)

A crescente necessidade de transportes, e o grande número de navios alemães imobilizados em portos portugueses, leva a Inglaterra a pedir a Portugal a requisição da frota alemã em nome da aliança, a 23 de Fevereiro. Esta situação, fortemente aclamada pela imprensa, mostrava por fim que Portugal estava do lado dos aliados contra o império alemão. A resposta não se fez esperar, e a 9 de Março a Alemanha declara a guerra contra Portugal.

Requisição dos navios alemães - Ilustração Portuguesa - 6 Março 1916

Continue a ler


Portugal na Guerra

A estratégia voluntarista de beligerância activa (1ª Parte)

A estratégia voluntarista e radical assumida pelo Governo Democrático de Afonso Costa, que defendia a entrada de Portugal no teatro de guerra europeu (contra a vontade da velha aliada Inglaterra) tinha diversos objectivos a nível de política externa, destacando-se a afirmação e reconhecimento internacional da jovem República Portuguesa, o adiamento do problema colonial, a distinção do papel de Portugal em relação á guerra face à posição neutral da vizinha Espanha, e ainda a conciliação das relações luso-britânicas. A nível interno o Governo Democrático pretendia reforçar o seu ideal criando uma identidade nacional comum, reunindo os portugueses no esforço de guerra, adiando assim os conflitos políticos e sociais. A sociedade portuguesa vivia um período conturbado devido às disputas entre partidos, que mesmo com a formação do governo de União Sagrada que juntou Democráticos e Evolucionistas, não logrou de ser uma solução viável e permanente, uma vez que logo à partida não houve um acordo entre todos os políticos de relevo (com especial evidência para a posição do Partido Unionista de Brito Camacho que se recusou a integrar o novo governo, e a exclusão de monárquicos e socialistas).

António José de Almeida, Partido Evolucionista - Afonso Costa, Partido Democrático - Brito Camacho, Partido Unionista

Continue a ler


“Lest we forget”

11 de Novembro 1918 – Assinatura do Armistício que pôs fim ás hostilidades na 1ª Guerra Mundial

Lembremo-nos dos Soldados Portugueses do CEP que morreram nos campos e trincheiras da Flandres, e em África.

Um dia auspicioso para começar este blog (projecto há tanto tempo adiado),  dedicado aos Soldados do Corpo Expedicionário Português e ás Damas-enfermeiras da Cruz Vermelha Portuguesa que participaram activamente na 1ª Guerra Mundial.

Para que a memória não esmoreça!

“Remembrance Day is observed on 11 November to recall the official end of World War I on that date in 1918, as the major hostilities of World War I were formally ended “at the 11th hour of the 11th day of the 11th month” of 1918 with the German signing of the Armistice.”